Quem é a CPP?

Comunidade dos Pequenos Profetas - CPP/Projeto Clarion - é uma organização não-governamental, sem fins lucrativos, que atende crianças e adolescentes em situação de extrema vulnerabilidade social e pessoal, há mais de 20 anos, no centro do Recife, com o apoio do então arcebispo de Olinda e Recife, Dom Hélder Câmara, conhecido nacional e internacionalmente pelo combate à pobreza e à fome.

A missão da CPP é melhorar a qualidade de vida de crianças e adolescentes desfavorecidos no meio urbano através da sua (Re)inserção na sociedade civil e no mercado de trabalho, oferecendo atendimento básico, educação, profissionalização e socialização, integrando-os no contexto de participação social ao exercício pleno da cidadania.

 Atualmente, a CPP desenvolve projetos sociais voltados para a valorização da cultura afro-brasileira, geração de renda, resgate da cidadania, assistência integral à criança e ao adolescente, procurando incluir a família e as comunidades do público atendido no fortalecimento da auto-estima e no capital social dos beneficiários.

A Comunidade dos Pequenos Profetas foi responsável pela campanha, de grande repercussão no país, em 1992, “Não matem minhas crianças”, por espalhar, de forma silenciosa, nos muros da cidade a frase anônima que mexia com o imaginário social sobre sua autoria, tinha como objetivo de campanha chamar a atenção da população e dos poderes públicos sobre o extermínio de crianças, adolescentes e jovens em Recife.

Em 2008, foi uma das 20 práticas vencedora do Prêmio Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM), entre 1.062 práticas, concedido pelo Governo Brasileiro e pela Organização das Nações Unidas (ONU). Foi eleita, também, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) como uma das 50 melhores práticas de desenvolvimento do Brasil.
Em 2011 ficou entre as 20 finalistas do Prêmio ODM com a pratica Valores da Vida, atendimento aos usuários de crack na RMR.

A Comunidade dos Pequenos Projetas atende, mais de 400 crianças, adolescentes e jovens, de 7 a 24 anos de idade, em situação de rua, abandono, em sua quase totalidade usuários de drogas, violência, abuso sexual, sendo 60% do seu público pertencente ao sexo masculino e 40% do sexo feminino, cerca de 90% são afro-brasileiros.

O público assistido pela CPP é extremamente pobre e vulnerável a todo tipo de risco social. Para se ter uma ideia, 83,3% do público atendido pela CPP está em situação de rua, 46,6% não moram com os pais, 82,1% praticam mendicância, 72,4% usam inalantes, 87,8% são usuários de craque, 82,8% são fumantes de cigarros industrializados, 63,3% fumam maconha, 80% são usuários de bebida alcoólica, 25% estão em situação de exploração sexual, 31% estão fora da escola. As famílias dessas crianças e adolescentes são de baixa renda, 13,3% não têm nenhuma renda e 33,3% recebem até ½ salário mínimo; 22,2% recebem Bolsa Família; têm baixa escolaridade, história de uso de droga e de violência doméstica, morando em comunidades com pouca infraestrutura urbana.

Princípios e missão:

A instituição baseia-se em princípios da ética, transparência, solidariedade, crescimento interior, respeito às diferenças, criatividade, visão crítica, sustentabilidade e busca dá excelência em todos os aspectos da organização. A missão da CPP é melhorar a qualidade de vida de crianças e adolescentes desfavorecidos no meio urbano através da sua (Re) inserção na sociedade civil e no mercado de trabalho, oferecendo atendimento básico, educação, profissionalização e socialização, integrando-os no contexto de participação social ao exercício pleno da cidadania.

Objetivo geral da entidade e local de atuação:

O objetivo geral da entidade é dar atendimento psico-sócio-educativo-cultural a crianças, adolescentes e jovens em situação de rua, visando melhorar a qualidade de vida do público beneficiário e proporcionando meios de aumentar a inclusão social, tornando-os cidadãos ativos, sujeitos de direito e de sua história.

Quadro de pessoal:

A CPP conta com 29 profissionais entre: psicólogo, assistente social, pedagoga, advogado, nutricionista, educadores, publicitários, gastronomo entre outros.

Atividades:

Prestar atendimento psico-sócio-educativo-cultural a crianças, adolescentes e jovens em situação de rua, visando melhorar a qualidade de vida do público beneficiário e proporcionando meios de aumentar a inclusão social, tornando-os cidadãos ativos, sujeitos de direito e de sua história.

Em todo o seu trabalho, a CPP parte do princípio de que a desigualdade social que caracteriza a realidade brasileira tem a exclusão social como base. Assim sendo, atende crianças e adolescentes excluídas do seio familiar, da escola e dos demais segmentos da sociedade, e nesta perspectiva, trabalha valores que defendam, articulem e efetivem a inclusão social, utilizando a educação como um instrumento libertador para neutralizar o cerceamento sofrido pelo indivíduo que lhe tem acarretado relações sociais regressivas.

A Comunidade dos Pequenos Profetas, uma entidade laica, tem dentre suas missões, possibilitar a prática de valores que indiquem o ser humano como o sujeito maior e construtor de seus próprios destinos, liberto de práticas que o escraviza e o faz sentir-se como um dominado que materializa seu grito de socorro frente às violências ideológicas e desigualdades, com violência, seja se auto destruindo, seja furtando/roubando, seja tirando a vida do outro.

A CPP tem 04 focos de atuação:

1) Atendimento direto nas ruas do centro do Recife a crianças e adolescentes em situação de risco social e pessoal.

2) Casarão de Atendimento - localizado no centro do Recife - uma casa de 3.000 m2 desenvolvendo atividades sócio educativas junto com crianças e adolescentes que se  encontram em situação de risco social e pessoal. Atualmente acolhe mensalmente cerca de 297 beneficiados.

3) Projeto Sitio Clarion - um sitio localizado a 45 km de Recife onde acolhe 60 beneficiados de ambos os sexos, na faixa etária de 16 a 22 anos, dependentes de crack ou ameaçados de morte por grupos de extermínios.

4) Projeto Hortas Verticais: cultivo de 19 hortaliças em garrafas pet, participando desse projeto 240 famílias da Comunidade do Coque.