sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Uma nova realidade para Andreas

VERSÃO EM ALEMÃO

Durch meine Arbeit bei der Comunidade dos Pequenos Profetas wurde mir eine neue Realität zuteil. Kinder und Jugendliche, die auf der Straße lachen und weinen, lieben und hassen, leben und sterben.

Der Mensch fragt hier nicht nur nach dem warum sondern möchte wissen, wer der Schuldige ist, in diesem Dasein aus Drogen, Gewalt und Prostitution. Der Staat? Die Gesellschaft? Die Familien? Freunde? Wer ist der Sündenbock, auf den wir die Schuld schieben können? Aber vielleicht tragen wir ja selbst etwas Mitschuld. Als Teil einer Gesellschaft, als Staatsbürger eines Landes, als Mensch?

Wir brauchen uns sicher nicht schuldig zu fühlen für das Elend das jedwedem Anderen widerfährt, aber wir tragen eine Verantwortung in uns, die uns dazu anhalten sollte, Menschen in Not zu helfen.

Schenken wir diesen von der Gesellschaft nicht Beachteten ein wenig Zuneigung, wechseln wir nicht die Straßenseite bei der nächsten Begegnung, sondern spenden wir ein paar freundliche Worte. Unterstützen wir die örtlichen Hilfsorganisationen. Spenden wir Zeit und wenn möglich auch ein wenig Geld damit sich die Situation der Betroffenen verändern kann, damit sie ein würdiges Leben außerhalb dieses Elends führen können. Tragen wir unseren Teil dazu bei, damit der Satz „Sie behandeln uns wie Tiere!“ seine Existenz verliert.













VERSÃO EM PORTUGUÊS

Por meu trabalho na Comunidade dos Pequenos Profetas eu encontrei uma nova realidade. Crianças e adolescentes, que riem e choram, amam e odeiam, vivem e morrem na rua.

Aqui o ser humano não somente pergunta o por quê, mas quer saber quem tem culpa por essa existência de drogas, violência e prostituição. O estado? A sociedade? As famílias? Amigos? Quem é o bode expiatório em quem podemos depositar a culpa? Talvez, porém, nós tenhamos um pouco de cumplicidade nisso. Como parte de uma sociedade, como cidadão de um país, como ser humano.

Não precisamos nos sentir culpados pela miséria que assola qualquer um, mas arquemos com uma responsabilidade que deve persistir em nós para ajudarmos pessoas com necessidade.

Ofereçamos a esses abandonados pela sociedade um pouco de carinho, não mudemos o lado da rua no próximo encontro com eles, mas digamos algumas palavras amigáveis. Apoiemos as organizações de ajuda local. Doemos tempo e, se possível, um pouco dinheiro para poder mudar a situação deles, para eles poderem levar uma vida digna fora dessa miséria. Contribuamos com nossa parte para que a frase “eles tratam-nos como bichos!” perca sua existência.

--
Andreas Bauer

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

II LENAD - Levantamento Nacional de Álcool e Drogas

O Segundo Levantamento Nacional de Álcool e Drogas (II LENAD) é um estudo populacional sobre os padrões de uso de álcool, tabaco e drogas ilícitas na população brasileira. Dependência de álcool, tabaco, maconha e cocaína também foram avaliados bem como possíveis fatores de risco e/ou proteção para o desenvolvimento de abuso e/ou dependência. O estudo foi desenvolvido entre novembro de 2011 e abril de 2012 pelo INPAD/UNIAD da UNIFESP com a colaboração da Ipsos

Foi utilizada uma amostra representativa da população brasileira, estratificada com alocação proporcional à população de cada estado (estrato). As regiões metropolitanas e as capitais de cada estado entram certamente (com probabilidade igual a 1) na amostra, com um número de entrevistas proporcional a suas respectivas populações (baseadas no CENSO 2010). Dentro de cada estrato, nas regiões metropolitanas e nos demais municípios de cada estado, foram selecionadas amostras probabilísticas, de conglomerados em vários estágios.

Confira agora alguns pontos abordados pela pesquida:




Caso queira conferir toda ela, clique aqui.

--
Fonte: LENAD