sexta-feira, 29 de junho de 2012

Artesanato e Meio Ambiente


Foto: Daniel Barros














Oficina de Arte é o momento onde vamos repensar, reutilizar e recriar com criatividade. Com a participação de crianças e adolescentes que fazer parte do projeto.

Nossa proposta é incentivar a produzir objetos com material reciclado, transformando o que as pessoas jogam fora (lixo) em objetos utilitários e decorativos.

Por exemplo: uma embalagem de leite em um jarro, um cd em um móbile e tantas idéias que temos.

A oficina proporciona um melhor desenvolvimento para os  participantes melhorando a capacidade de criar, coordenação motora, percepção e organização do pensamento.

A reciclagem é um recurso para preservação do meio ambiente. Estamos conscientizando as nossas crianças que a preservação do meio ambiente depende das atitudes de hoje.

E que através de pequenas atitudes podemos fazer grande diferença.


--
Arineide Lima é Educadora na CPP

Festa de São João da CPP

A CPP comemorou o São João no dia 21 de junho, reunindo cerca de 200 pessoas entre crianças, adolescentes e jovens, bem como seus familiares. Na festa houve apresentação do grupo de teatro de bonecos, grupo de percussão, contando depois com uma quadrilha junina ao som de LUIZ GONZAGA. Não falou comidas tipicas feitas com o milho colhido do próprio sítio Clarion.

Acesse o vídeo:



segunda-feira, 25 de junho de 2012

Dependência química, subjetividade e tratamento



A Dependência Química é quando existe um relacionamento alterado entre o sujeito e a forma de utilizar as substâncias psicoativas - SPA. Ao falar de drogas consideramos os aspectos biopsicossociais, sendo o uso diversificado de acordo com a época da história e as manifestações culturais.

As variedades de ingresso ao consumo de drogas são inúmeras e entre elas estão à vulnerabilidade no qual o adolescente ou jovem se encontram, através de predominância de fatores externos, como influência dos amigos, conflitos familiares, alto afirmação, curiosidade, envolvimento familiar com algumas substâncias ou até mesmo baixa autoestima. Salientamos o fator primordial que é a cultura, que está relacionada às drogas lícitas, como álcool e cigarros, através do uso em cerimônias religiosas, aniversários e festividades, assim como a influência da mídia, através de propagandas e outros meios.

O consumo de substâncias psicoativas por adolescentes e jovens leva o dependente a ocupar grande parte de seu tempo, alterando seus relacionamentos sociais pertinentes a sua idade, muitos se ausentam de práticas educacionais, profissionalizantes, culturais, esportivas e no que se refere ao convívio familiar e comunitário.

Assim como se expõem a riscos, como: doenças sexualmente transmissíveis, através da exposição do corpo e do compartilhar de seringas ou cachimbos; violência, muitos dependentes começam furtando objetos de sua residência para venda e obtenção de drogas e expandem os roubos para comunidades, assim como através do tráfico e das dividas obtidas com traficantes; prostituição infanto juvenil, para aquisição de dinheiro para compra de drogas; gravidez indesejada, pelo sexo sem prevenção, quando muitas vezes se está sobre os efeitos de SPA; acidente de trânsito; conflito com a lei, através de brigas, tráfico e roubos até mesmo da realização de homicídios.

Contudo, ao falar de drogas precisamos levar em consideração as subjetividades, a intensidade e o significado que ela ocupa na vida do individuo. Muitas pessoas usam drogas em busca de prazer e alivio para seus sofrimentos, sendo importante, no entanto encontrar outros meios de obter prazer que substituam as drogas.

Atualmente diversos setores da sociedade discutem no país, sobre atuações e intervenções em torno do uso de álcool e drogas, principalmente do CRACK, devido ao poder de devastação e sofrimento dos usuários e seus familiares; contudo, muitas vezes com foco na substancia, não no sujeito.

Frente a essa problemática a Comunidade dos Pequenos Profetas - CPP desenvolve um trabalho de enfrentamento às drogas, através do acolhimento a jovens de 18 a 24 anos com problemáticas relacionadas à dependência. Na CPP os jovens não perdem suas referências, pois são inseridos em praticas educacionais, em cursos profissionalizante e até mesmo no mercado de trabalho, assim como podem passar finais de semana com seus familiares.

Negando o isolamento como forma de tratamento e o afastamento do individuo de seu meio social, os jovens mantem o vinculo com os familiares e a comunidade, realizando, assim um trabalho integrado. Dessa maneira não minimiza a capacidade do individuo de viver fora da instituição após passar pelo tratamento, sem lhe “amputar socialmente e psicologicamente”, pois quando se perde o elo de suas raízes, o sujeito poderá se afastar das drogas, no momento que estiver “institucionalizado”, mas logo depois poderá retornar ao uso.

Enfim, é necessário um esforço conjunto da sociedade e seus setores, impedindo separar o individuo de seu cotidiano minimizando dessa maneira o sofrimento de todos os envolvidos.

--
Sandra Quadros, é Assistente Social da CPP e Especialista em Educação Inclusiva

Resgatando a dignidade do ser

A dignidade da pessoa humana - florianopolis, Santa Catarina

Podemos observar a dificuldade que existe em relação ao combate das drogas. Hoje se andarmos por bairros do Recife, vamos encontrar pessoas se drogando a todo instante, jovens idosos e até crianças. Muitas dessas pessoas até querem sair dessa vida, mas não sabem como.

Sem a ajuda do Estado e da sociedade, sozinhas elas não conseguirão, caminharão para um mundo obscuro e ficarão a margem da sociedade, que muitas vezes fecham os olhos para o problema, problema esse que pode ocorrer com qualquer um de nós ou com pessoas próximas. Qualquer pessoa pode ser vitimizada pelo problema das drogas.

Por isso temos que abrir nossos ouvidos juntamente com o Estado, para ouvir o pedido de socorro dessas pessoas e seus familiares que em sua maioria não são percebidos ou escutados.

A Comunidade dos Pequenos Profetas vem desenvolvendo um trabalho com aulas de Direitos Humanos com jovens usuários em tratamento, procurando resgatar a dignidade da pessoa humana, fazendo com que os mesmos busquem essa dignidade e lutem pelos seus direitos rompendo as barreiras do preconceito por terem entrado no mundo das drogas.

Algumas dessas pessoas não tem acesso a uma moradia digna, a uma educação de qualidade e a um atendimento de saúde humano. Com tudo o Estado e a sociedade precisam ter um total comprometimento junto à essas pessoas, para que haja uma mudança nesse quadro crítico em que se encontram os jovens no nosso Estado.

Só com esse comprometimento é que teremos a esperança de que possamos parar de perder vidas humanas diariamente, e de ver a destruição de famílias que suplicam por ajuda.

Que todos possam apoiar esse trabalho, pois esses jovens não precisam ser descriminados, até porque já são marginalizados pelo próprio sistema, eles precisam de ajuda para resgatar sua dignidade e reestruturar suas vidas. 

--
Janaina Francisca da Silva é Professora e Educadora Social na CPP, cursando pós-graduação em Gestão de Projetos Sociais

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Dica de leitura | 001


Livro:
A historia de Severino e a historia de Severina - Um ensaio de Psicologia Social      

Autor:
Antonio da Costa Ciampa

O autor num primeiro momento com o personagem Severino, através da ficção e usando um clássico de nossa literatura brasileira o famoso poema “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto, tenta mostrar que a construção da identidade se dá através das nossas relações sociais. Ele mostra como o indivíduo se constitui e se vê, tendo como referencial indivíduos que fazem parte do seu contexto social.

O personagem Severino se enxerga apenas mais um dentre tantos outros Severinos na mesma situação, e se sente cópia, uma reprodução dentro de uma realidade onde nada me resta a não ser legitimar essa condição de Severino, pobre, nordestino.

Num segundo momento do livro o autor nos conta através de relatos a história de Severina, uma mulher nordestina, com quase nenhum recurso financeiro, que tem uma vida muito sofrida, tentando achar sua própria identidade. Sem consciência dela e do outro na busca pela vingança dos homens que a fizeram sofrer primeiro o pai e depois o marido acaba se perdendo em meio a tantas Severinas a vingadora, a escrava, a esposa, a mãe, a louca; ao mesmo tempo não sabe quem ela realmente é.

Ao longo de nossa vida as relações sociais que estabelecemos com os outros nos define enquanto sujeitos, é preciso que tenhamos consciência da existência do outro para que tenhamos consciência de nossa própria existência.

Ciampa com esse livro nos leva a refletir sobre nossa própria identidade, nós seres humanos estamos em constante transformação vivemos sempre em movimento ele quer que pensemos nossa identidade não como algo estático e sim dinâmico, a identidade como um processo de mutação uma metamorfose o homem como um ser biopsicossocial.   

--
Wilsa Carmem Ferreira é estagiária em Psicologia na CPP